EventosTelemedicina

A experiência da Dinamarca com a telemedicina

Apontada por muitos como o futuro da saúde, a telemedicina vem aos poucos conquistando espaço no Brasil. O interesse pelo tema pautou diversas palestras do HIMSS@Hospitalar, o principal fórum global de tecnologia e inovações digitais para a saúde, que acontece durante a Hospitalar 2019.

Umas das experiências avaliadas nessa quinta (23) foi da empresa dinamarquesa de aplicações de consultas online Open Telehealth. Seu co-fundador, Thomas Ravnholt, mostrou como pacientes europeus estão aprendendo a monitorar a si mesmo com o auxílio da tecnologia.

Ao dividir dois grupos de pessoas com problemas cardíacos, a empresa percebeu que aqueles que passaram a utilizar o aplicativo para se avaliar tiveram as visitas aos hospitais cortadas pela metade – o que representa uma economia anual de R$ 24 mil por paciente.

“Muitas empresas de tecnologia utilizam o recurso de videoconferência. Mas nós preferimos utilizar um aplicativo baseado em questionários e monitoramento”, disse o palestrante. “Nosso software atua na avaliação de pacientes com diabetes, apneia do sono e gestantes, por exemplo”.

Dependendo da necessidade, além do APP, que pode ser acessado de um smartphone, tablet ou computador, o paciente recebe um kit de monitoramento. No caso das grávidas, o pacote conta com eletrodos que ela mesmo aplica na barriga durante 20 minutos diários – os dados são enviados automaticamente ao obstetra.

Apesar de já contar com questionários pré-programados para tratamentos específicos, o aplicativo da Open Telehealth permite ao médico desenvolver perguntas personalizadas para cada paciente – e, junto com elas, a emissão automática de alertas dependendo da resposta.

“O profissional de saúde define o que é considerada uma pressão sanguínea alta para aquele paciente. E quando o monitor aponta essa mudança, um aviso é enviado”, explica Thomas.

Além disso, o software também é usado para monitorar a qualidade de vida de pessoas entre 75 e 90 anos. Diariamente o idoso responde perguntas como “sua asma tem atrapalhado nas tarefas diárias?” – e as respostas são enviadas para o prontuário de seu oncologista.

“Tudo depende da condição do paciente. Ele pode ser monitoriado apenas respondendo perguntas pelo celular ou utilizando kits e medidores”, demonstra o co-fundador da Open Telehealth.

A TV Doutor está presente na Hospitalar 2019, que acontece entre 21 e 24 de maio no Expo Center Norte, em São Paulo.

Envie um comentário